1×0, 1×1, 4×0, 4×1 e 4×4: o que esses números têm a ver com as Cores do seu Material Gráfico?

Se acha que 1×0, 1×1, 4×0, 4×1 e 4×4 são os resultados da última rodada do campeonato de futebol, dessa vez você se enganou. Estamos falando sobre o esquema de cores empregados pelas gráficas na confecção de materiais gráficos.

Para conseguirmos uma impressão de qualidade, não basta que as imagens escolhidas estejam em alta resolução, existem outros detalhes muito importantes aos quais devemos prestar bastante atenção antes da aprovação e fechamento do arquivo final, entre eles as cores, sobre as quais abordaremos neste artigo de maneira bem didática.

Grande parte dos materiais impressos é feita a partir de um conjunto de cores, que recebe o nome de policromia.

Poli + Cromia = conjunto de cores.

Manter a fidelidade dos tons em cada detalhe só é possível escolhendo o sistema de cores correto. Os mais comuns são o RGB e CMYK, mas cada um tem as suas especificidades.

RGB

É o modo de cor usado em equipamentos eletrônicos, como câmeras digitais e monitores. Os tons são formados pela emissão de luz nas cores Vermelho, Verde e Azul. O termo provém do inglês a sigla está relacionada ao nome das cores nesse idioma: Red, Green e Blue.

RGB700

CMYK

É o sistema utilizado em trabalhos gráficos. As cores são obtidas pela absorção da luz nas tintas feitas através da combinação de 4 cores base: Cian (C), Magenta (M), Amarelo (Y) e Preto (K). Se acha que 1×0, 1×1, 4×0, 4×1 e 4×4 são os resultados da última rodada do campeonato de futebol, dessa vez você se enganou.

CMYK700

Por ser um padrão usado mundialmente, as letras foram escolhidas de acordo com as palavras em inglês: Cian, Magent, Yellow e blacK.

Para formar uma determinada cor, subtrai-se a luminosidade do branco. Com esse efeito, é possível reproduzir fielmente milhões de cores, ainda que seja inviável formar todas as cores existentes no mundo.

Seria possível obter a cor preta misturando os três pigmentos primários, entretanto, sobrepor camadas de tinta prejudicaria o resultado final do trabalho, visto que elas poderiam dissolver o papel ou simplesmente não secar, borrando todo o material. Sem contar que a tinta preta é a mais barata, o que quer dizer que tentar obtê-la a partir das outras tornaria o projeto consideravelmente mais caro.

Atenção! É de suma importância verificar o resultado ao converter as cores de RGB para CMYK e avaliar se as cores ainda correspondem ao que foi idealizado.

Mas e os números???

Agora que você já entendeu como as cores são formadas, fica mais fácil explicar: o primeiro número mostra a quantidade de cores usadas na impressão na parte da frente, já o segundo indica quantas cores foram empregadas no verso.

1×0
Significa que impressão será feita em preto e branco em apenas um dos lados.
1×1
Sugere que a impressão será feita em preto e branco em ambos os lados.
4×0
Indica que a impressão é colorida em apenas um dos lados, feita a partir da mistura das quatro cores CMYK. Do outro, o material permanece liso, em branco, sem impressão.
4×1
Mostra que um dos lados foi produzido com as quatro cores, enquanto o verso apresenta apenas uma, geralmente a preta, com impressões em preto e branco ou escala de cinza.
4×2
Denota impressões feitas através da mistura das quatro cores bases em um dos lados e o outro com combinações entre duas das quatro cores do sistema CMYK.
4×3
Segue o raciocínio das numerações anteriores, designando que o material será impresso a partir da mistura de quatro cores básicas em um dos lados e de três cores no outro.
4×4
Sugere que o material será colorido a partir de quatro cores bases em ambos os lados.

Cores especiais

Existem outros padrões de cores além do RGB e do CMKY, que são denominadas “cores especiais”. Um exemplo de sistema com cores especiais é o da Pantone, no qual ao invés de se aplicar um número de cores bases, são feitas misturas prévias e catalogadas, formando um conjunto com vários tons definidos, como se pode ver numa paleta ou mostruário. Dessa forma, erros e variações de cores são minimizados e o material fica ainda mais fiel ao que foi pensado, desde que seja repassada a numeração do Pantone antes da impressão na gráfica. Deve ser observado também que a utilização do padrão Pantone pode elevar os custos do projeto.

Viu como entender a numeração de cores para materiais impressos pode ser tão fácil e divertido quanto assistir uma partida de futebol? E investindo em impressão de qualidade aqui na Gráfica MediaTall, quem ganha de 7×1 é você!